domingo, 26 de dezembro de 2010

Entre duas datas, a memória

Arde no lar o fogo antigo
do amor irreparável
e de súbito surge-me o teu rosto
entre chamas e pranto, vulnerável:

Como se os sonhos outra vez morressem
no lume da lembrança
e fosse dos teus olhos sem esperança
que as minhas lágrimas corressem.

Carlos de Oliveira In Elegia em Chamas

Nenhum comentário:

Postar um comentário