segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Eupoema



O lugar onde eu nasci nasceu-me
num interstício de marfim,
entre a clareza do início
e a celeuma do fim.

Eu jamais soube ler: meu olhar
de errata a penas deslinda as feias
fauces dos grifos e se refrata:
onde se lê leia-se.

Eu não sou quem escreve,
mas sim o que escrevo:
Algures Alguém
são ecos do enlevo.


........................
Poema de Décio Pignatari, publicado inicialmente no Portal Cronópios.


Nenhum comentário:

Postar um comentário