terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Dois poemas de Nicanor Parra


QUE É POESIA

A fundação do ser x a palavra
Poesia és tu
Tudo o que se move é poesia
O que não muda de lugar é prosa

Mas que é poesia
Tudo o que nos une é poesia
Só a prosa pode nos separar

Sim mas que é poesia
Vida em palavras
Um enigma que se nega a ser decifrado x os professores
Um pouco de verdade e uma aspirina

Antipoesia és tu

* Tradução Pedro Fernandes de O. Neto


MULHERES

A mulher impossível,
a mulher de dois metros de estatura,
a senhora de mármore de Carrara
que não fuma nem bebe,
a mulher que não fica nua
por temor de engravidar
a vestal intocável
que não quer ser mãe de família,
a mulher que respira pela boca,
a mulher que caminha
virgem para a câmara nupcial
porém que reage como homem,
a que se desnudou por simpatia
por encantar-se com musica clássica,
a ruiva que ficou de bruços,
a que só se entrega por amor,
a donzela que enxerga com um só olho,
a que apenas se deixa possuir
no divã, à borda do abismo,
a que odeia os órgãos sexuais,
a que casa somente com um cão,
a mulher que se faz de adormecida
(o marido a ilumina com um fósforo),
a mulher que se entrega porque sim
porque a solidão, porque o esquecimento...
a que chegou moça à velhice,
a professora míope,
a secretária de óculos escuros,
a senhorita pálida de lentes
(ela não quer nada com o falo),
todas estas valkírias
todas estas matronas respeitáveis
com seus lábios maiores ou menores
terminarão tirando-me do juízo.

* Tradução Albino M. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário