segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Três poemas de Álvaro Moreyra



DESTINO

Todo mundo ama porque
todo mundo sempre amou.
É só por imitação.
Todo mundo ama porque
ninguém ainda inventou,
desde a anedota de Adão,
coisa melhor para a gente
trocar por uma alegria
que vem e vai de repente
a pobre melancolia
que nunca mais deixa a gente...


MISTÉRIO

Chamam certas mulheres de infelizes.
E dizem que elas são da vida alegre...


A MANGUEIRA E O SABIÁ

O sabiá pousou em cima da mangueira e cantou,
cantou uma semana inteira.
Depois foi-se embora, nunca mais voltou.
A mangueira ficou triste mas toda cheia de
mangas.
Mangas doces, tão bonitas, a mangueira nunca
deu.
Deu agora de saudade, porque a mangueira
sofreu.
Quanta mulher sabiá!
E quanto homem mangueira!...



Nenhum comentário:

Postar um comentário