segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Um poema de Emily Dickinson



Noites Loucas – Noites Loucas!
Estivesse eu contigo
Noites Loucas seriam
Nosso luxuoso abrigo!

Para Coração em porto –
Ventos – são coisas fúteis –
Bússolas – dispensáveis –
Portulanos – inúteis!

Navegando em pleno Éden –
Ah, o Mar!
Quem dera – esta Noite – em Ti
Ancorar!


* Tradução de Paulo Henriques Britto para a revista Inimigo rumor, de março de 1999.